Correspondência Enviada ao Mr. Gerald, CEO da Maple Bear Canadá, sobre Instalação da Escola Maple Bear na Rua Major Rubens Vaz

04 jun 20

Caros moradores,

Confiram, na integra, correspondência enviada ao Mr. Gerald, CEO da Maple Bear Canadá, sobre instalação da Escola Maple Bear na Rua Major Rubens Vaz:

Dear Mr Rodney Briggs and Mr Gerald Macleod

Mapple Bear

“Empathy and social impact go hand in hand right now,” says Robin Pascoe, VP Corporate Communications and Social Impact for Maple Bear Global Schools. This is the title of an article on Mapple Bear’s Blog.

Opposite of the empathy preconized by Mapple Bear site and ethics, a group intends to install a franchise of Mapple Bear School in Rua Major Rubens Vaz, Gávea. We, residents of this street and rua Jequitiba, Gávea, Rio de Janeiro, Brazil, are strongly against the installation of a Mapple Bear School in this street, as 99% of the residents endorsed in a petition requesting that the institution is not established in this location. We are not against the Mapple Bear Schools, but reject the use of Major Rubens Vaz street to install a new facility.

Why?

Some months ago, the local citizens association, AmaGavea, explained to a few investors interested in using Rua Major Rubens Vaz as a new Mapple Bear location that the street can’t support one more educational facility considering there already are three. This is a three blocks street only, mainly houses, at the foothills of Jardim Botanico Forest, and a residential street, defined as such by the law.

The traffic caused by the already existing schools generates noise, pollution and chaos, terrible traffic blockings and bringing stress for the neighbors in the surroundings during school hours. One more school, with the school vans, parent’s cars, etc, is unbearable.

The CET-Rio Unidade Gávea (Traffic Department- Gávea Unity), the DFL (License and Inspection Department) and the Superintendência da Zona Sul (South Zone Municipal Administration), all prohibited the Mapple Bear School to open in Rua Major Rubens Vaz, Gávea.

But, by insistence of the Mapple Bear’s franchise investors, an official from Rio de Janeiro Municipality came to the street in question to verify the traffic impact.

The inspection was made on January 15th, during summer school vacations. Not only the schools are closed during this time, but as well families travel, therefore it is impossible to measure the real impact of a new school in the street. If anything, the so-called inspection should be made during school days.

Adding to all the concerns, in rua Major Rubens Vaz there is a Firefighting Headquarters, which must have free access for cars to arrive and leave, and as the situation is now, it already threatens the easy flow of the fire trucks.

This is an old street, and part of it used to be residential historical sobrados (townhouses) for the workers of the textile factory that existed in Jardim Botânico.

The citizens count on the parking spots in the street, which are few, and the use by staff from the school and space for school transportation would only make the situation worse, specially considering that the firefighters from the nearby firefighting headquarters also need space to operate their vehicles in emergencies and to park firefighters cars on a daily basis.

Besides all of the above, the noise caused by students, school bells, and others would be a major inconvenience and disregard towards the people who have called this street home all of their lives. Many of them are elderly residents, as are the next door neighbors of the house where the school intended to set, who have lived in the same house for more than five decades and enjoy the quietness of their home. The operation of a school so close would be the end of their peace and privacy.

How can all of the above be called empathy?

How can a business disrespect and disregard the people surrounding it?

In Mapple Bear’s site the business highlights the value of making kids feel comfortable inside the school facilities. Should they feeling welcome in the school jeopardize the well being of the neighbors?

As well, the Mapple Bear site emphasizes the preparation of students to succeed in the world. The question is: which kind of success may be valuable, if it is achieved in disrespect to law, empathy and citizenship? Everything that is happening in the world at the moment just shows we need each other, and to be more considered toward others. This is the only way we can thrive as individuals in the world in a valuable way.

As the head of the Mapple Bear Brasil was informed of the problem and didn’t act according to the concerns of the people in the area, we turn to Mapple Bear Canada administration, to inform about the gravity of the situation and all the administrative litigations regarding the case described above.

More details may be found in http://www.amagavea.org.br/sobre-a-instalacao-da-escola-maple-bear-na-rua-major-rubens-vaz/

And attached there is a video of the traffic problem in the street during school days.

In hope Mapple Bear can find a better location for its operation,

Amagávea

03/jun/2020

Sobre as Luzes na Região Próxima à Rocinha

04 jun 20

Confiram o relato abaixo de Luiz Fernando Penna, ex-diretor da Amalga Alto Gávea, sobre as luzes que tem sido vistas por alguns como uma possível ampliação da Rocinha:

“Parte das luzes foram foram notadas por morador do prédio na Osório Duque Estrada, sem setembro do ano passado. Fui imediatamente os local, onde encontrei uma pessoa do Movimento, vulgo Papel.

Com ele vistoriei a área. Nada de ocupação. Ele explicou que as luzes serviam para ajudar moradores a pegar água em fonte (chamadas de Bicão), o que de fato foi necessário durante a crise na Cedae.

Em março um morador me avisou de mais luzes, já durante a pandemia. Mandei recado ao Movimento. Me retornaram dizendo ser melhoria na iluminação da trilha.

Sendo o que for, temos de esperar acabar o Corona para subir.”

Luiz Fernando também enviou as fotos abaixo, que ilustram o relato:

A Amagávea acompanha e cobra da prefeitura fiscalização. Infelizmente, o crescimento nas favelas é o que, desde 1982, o Governo do Estado e a Prefeitura entendem como solução de moradias para pessoas de bairro renda. Isso se alinha a nossa sociedade sempre ausente da destruição da nossa capital, assim como em todo o estado.

Atenciosamente,

René Hasenclever, Presidente da Amagávea

Sobre a Instalação da Escola Maple Bear na Rua Major Rubens Vaz

09 Maio 20

Caros moradores,

As fotos em destaque são da obra da futura escola Maple Bear, na Rua Major Rubens Vaz 441, localizada em área residencial entre as casas 429 e 451.

Essa instalação agride o direito de vizinhança assegurado por lei. Os moradores da Major e da Rua Jequitiba entregaram um abaixo assinado ao Superintendente da Zona Sul Sr Marcelo Maywald, que após análise junto com o Arq. Bruno Mendes Marques e com Sr. Claudio da DLF (Departamento de Licença e Fiscalização) foram unânimes na avaliação de que neste local não caberia mais uma escola devido ao impacto viário (na Major temos três escolas, Escola Nova, curso Scole de Inglês e a creche Espaços Envolvimento).

Foi entregue pela Amagávea Ofício ao Ministério Público solicitando o embargo da obra. Em razão da pandemia está tudo paralisado. A transformação do imóvel 441 de residencial para comercial foi aprovado pela Secretaria de Urbanismo, chefiada pela Sra. Fernanda Teijado, que não recebeu os moradores em seu gabinete. Essa mudança de residencial para comercial, foi dada após a Secretaria aceitar o estudo de impacto viário realizado em janeiro de 2020 no período de férias escolares. O Diretor Técnico da CET RIO, Sr José Modesto, desconsiderou o estudo anterior e a não autorização de implantação de mais uma escola na Major Rubens Vaz, afirmado em relatório assinado pela Superintendência e pela unidade CET-RIO Unidade Gávea.

Eu, Rene Hasenclever, Presidente da Amagávea, solicitei, através da secretária Sra. Cássia, reunião com o Sr. Modesto e com o Presidente da CET-RIO, Sr. Airton, e jamais fomos recebidos. Esta atitude é anti-democrática!

Estaremos, assim que a pandemia passar, entrando na Justiça contra esta Escola, cujo projeto não foi discutido e analisado com o Urbanismo e a CET RIO. Houve, ao nosso entender, uma decisão que fere os princípios éticos e democráticos. Não iremos aceitar o que entendemos como abuso de poder tal ação que afeta a manutenção da qualidade de vida dos moradores da Gávea.

(No site da Associação também é possível a visualização de dois vídeos das obras)

CAMPANHA DE DOAÇÃO E PREVENÇÃO À CONVID-19: AGRADECIMENTO!

18 abr 20

A Campanha de Doação e Prevenção à Convid-19, coordenado pela AMA SÃO CONRADO e apoiada pela Amagávea atingiu a marca de 1000 cestas básicas, já distribuídas nas Comunidades da Rocinha, Canoas e Parque da Cidade.

A distribuição para Rocinha é feita em local próximo ao CIEP Ayrton Senna, ordenado em grupos de 10 a 20 pessoas do cadastro, atendendo critérios dos mais necessitados na avaliação
dos voluntários. Para as outras comunidades as cestas são levadas aos locais. Foram também distribuídas marcaras de proteção.

Agradecemos as doações que permitiram nossa contribuição para as comunidades!

A Campanha continua e, se você quiser participar, seguem os dados:

Banco: Itaú
Agência: 4552
CC: 14895-1/500
Favorecido: Cristina Cobianchi Garcia
CPF: 182.715.718-69a

Envie, por favor, comprovante para o WhatsApp (21) 97665-0710.

Vejam também algumas fotos das distribuições!

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com